Hood traz relatórios sobre experiências de marcas

Em relatório inédito, Hood indica novas diretrizes para construção de experiências de marcas e mapeia tendências sobre a jornada de experiência imersiva.

A Hood, agência de brand experience, divulga relatório com as tendências na jornada de experiência do consumidor em tempos de pandemia.

Este material foi criado a partir de entrevistas com 20 líderes criativos, designers de experiência, brand managers e especialistas em cultura e sustentabilidade e um estudo sobre tendências comportamentais, novas estéticas e mudanças culturais decorrentes.

O distanciamento social impactou toda a cadeia produtiva envolvida na criação e no desenvolvimento de experiências de marca, o que nos levou a intensificar nosso trabalho de pesquisa de tendências potencializadas com a pandemia. Além de mapear esse movimento por meio de estudos de caso, o objetivo do relatório é mostrar como a pandemia já alterou modelos mentais, exigindo consequentemente que as marcas estejam prontas para entregar novas formas de conexão social através de experiências digitais e imersivas, que atendam a essas mudanças.

Marco Arioli, CEO e Fundador da Hood

Uma das constatações foi que as interações digitais estão afastando as pessoas dos estímulos sensoriais que dependem de contato físico e acelerando a busca por ferramentas e artifícios que reproduzam experiências mais humanas e tragam conforto.

Outro ponto é o surgimento de uma nova era da influência, o equilíbrio entre o desenvolvimento do senso coletivo e individual e a busca das pessoas por significados nas suas atividades cotidianas.

Um ponto que seria óbvio, mas também apareceu é a recomenda para as marcas usarem histórias e conversas reais, além de criar experiências que ajudem a confortar os consumidores.

Além disso a Hood fez um experimento, em um evento digital buscando se assemelhar com os presenciais, possibilitando que os usuários explorassem espaços.

Chegamos a esse formato a partir de uma investigação de diversos eventos online que estavam acontecendo no mundo, das baladas underground de Berlim até as lives com audiência de milhões de pessoas. E identificamos que o principal fator pelo qual as pessoas se encontram na vida real, que é criar laços, conexões e encontros ao acaso, não estavam acontecendo nas plataformas disponíveis.

Marco Arioli, CEO e Fundador da Hood

A ideia era fazer com que os participantes escolhessem onde queriam estar – tipo de som, espaço para conversa etc. – gerando novos encontros e maior semelhança com o ambiente físico.