L’Entrecôte de Paris aposta em dark kitchen

L’Entrecôte de Paris aposta em expansão dos negócios com base em dark kitchen, modelo com aporte inicial menor e voltado para o delivery.

Com a pandemia diversos negócios foram afetados e precisaram se reinventar, e não foi diferente com o restaurante L’Entrecôte de Paris, que antes apostava no crescimento por meio de restaurantes convencionais e passou a focar no modelo de delivery.

O delivery utiliza as dark kitchen – cozinhas que não precisam operar junto a lojas convencionais e produzem pratos somente para entrega -, e neste modelo o investimento inicial é menor R$100 mil e R$150 mil.

Além de menor custo inicial, os custos operacionais também são reduzidos – enquanto o aluguel de uma loja tradicional em shopping chega a custar R$60 mil por mês, a locação de um espaço para a cozinha do delivery fica em torno de R$3 mil.

Entendemos que o sistema de delivery não deve ser tratado como um adicional. Ele é um modelo de negócio à parte, que merece atenção. Todas as marcas que conseguiram ter essa mentalidade têm sucesso.

Rodrigo Diotto, Gerente Geral do L’Entrecôte de Paris

Esta migração de formato de trabalho é interessante, especialmente para os restaurantes, que estão proporcionando uma experiência de qualidade para quem prefere o consumo em casa – antes a experiência não era tão boa quanto a presencial.